sexta-feira, 15 de julho de 2011

O ASTRONAUTA E O FREI DIZEM QUE EXISTE EXTRATERRESTRE - 1/2

Olá Amigos (as)!
Caminho de Luz seja bem vindo (a), a entrevista seguinte, colaboração de Ambrosiano, com Frei Luiz recorda-me os tempos que comprava livros e revistas de ufologia e os lia com entusiasmo e curiosidade, cada leitura uma nova descoberta.
Ex-astronauta americano afirma que extraterrestres existem
O astronauta aposentado Edgar Mitchell - que fez parte da missão com destino à Lua Apollo 14, em 1971 - afirmou que existe vida extraterrestre e que o governo americano esconde informações sobre o assunto. Segundo o site do jornal britânico Telegraph, as afirmações foram feitas durante a quinta X-Conference - um encontro anual que reúne ufólogos e outras pessoas que acreditam na existência de discos voadores e formas de vida alienígena - que aconteceu do dia 17 ao dia 19 de Abril.

De acordo com o jornal, o ex-astronauta, hoje com 78 anos, disse: "não estamos sozinhos. Nosso destino é tornar-nos parte de uma comunidade planetária. Nós devemos estar prontos para ir além do nosso planeta e além do nosso sistema solar para descobrir o que está realmente acontecendo lá fora."

Mitchell, que foi piloto do módulo lunar na Apollo 14, também disse que em 1947 tentou investigar o chamado "Incidente Roswell" - um suposto disco voador que teria caído na localidade de Roswell, no Novo México, mas que foi dissuadido por autoridades militares. O astronauta, que cresceu na cidade de Roswell, afirmou que na época os moradores "foram silenciados pelas autoridades militares que ordenaram que não se falasse sobre essa experiência."

Ele alegou que tentou buscar as provas que foram colhidas com moradores locais pelo Pentágono. Segundo ele, um oficial do governo - cujo nome não foi citado - havia prometido que descobriria mais informações, mas seu acesso foi negado quando ele "tentou entrar no trabalho interno desse processo". Michell afirma que o oficial nega a história.

"Convido a todos aqueles que duvidam: leiam os livros, comecem a compreender o que realmente aconteceu. Porque realmente não há nenhuma dúvida de que estamos sendo visitados", disse Mitchell. "O universo em que vivemos é muito mais maravilhoso, emocionante, complexo e abrangente do que jamais fomos capazes de entender."

Em resposta às afirmações de Michell, pela rede americana CNN, um porta-voz da Nasa afirmou que "a Nasa não acompanha discos voadores e não está envolvida em qualquer tipo de encobrimento sobre vida extraterrestre neste planeta ou em qualquer outro lugar."

Stephen Bassett, chefe da Paradigm Research Group (PRG), que sediou a X-Conference este ano, disse à CNN que "há um terceiro trilho (na política americana), que é a questão dos extraterrestres."
ENTREVISTA COM FREI GREGORIANO LUIZ CARLOS KRUMMENAUER ROCHA
Realizada em sua residência no bairro Boa Vista, em Chapecó/SC, no dia 26 de junho de 2010.
Frei Luiz: "Onde existe o homem, existe a imperfeição" (Foto: Ivo Luis)
Apresentação
O Frei Gregoriano Luiz Carlos Krummenauer Rocha é filho de mãe luterana, pai ateu, foi deputado estadual pelo PDT do Rio Grande do Sul e seu bisavô, Otávio Rocha, foi governador. Na infância, estudou no colégio Marista em Porto Alegre e despertou para a vida religiosa ao ouvir um Frei Gregoriano do Rio de Janeiro falando sobre a criação de uma civilização mais humana e cristã.
Estudou por oito anos filosofia, exegese, aramaico, grego e latim no mosteiro de Petrópolis. Integrou o Sacro Colégio Gregoriano de Roma para fazer doutorado, junto com Santo Rosseto e Frei Beto. Posteriormente, doutorou-se em filosofia no Instituto Católico em Louvaine, Bélgica.
Sua missão foi a catequização de pagãos na Colônia Portuguesa de Goa, Índia, onde permaneceu por um ano e oito meses. Em Macau, na China, passou 8 meses visando unicamente a expansão do império católico.
Após esse curto período foi para Angola e Moçambique, por conta da igreja ter a preocupação de que seus religiosos não criem vínculos emotivos.
Frei Luiz lembra que os nativos seguiam seus deuses e ele estava ali para levar a boa nova, o cristianismo. No Tibet, conheceu monges tibetanos e na troca de informações, passou a ver a vida com outro sentido.
Após seu retorno ao Brasil, em Porto Alegre, integrou o grupo de escoteiros visando implantar um trabalho junto a favelas, o escotismo como reeducação. Era Capelão, orientador espiritual dos escoteiros.
Pediu licença e casou-se. Um ano e meio depois, sua esposa grávida acabou morrendo no parto, junto com seu filho. Ananda, sua esposa de origem libanesa, era sua aluna do coral e com o ocorrido, ele se viu cheio de culpa, pensando ser castigo de Deus por seus votos anteriores.  Com isso, retornou a congregação.
Admira o trabalho do estigmatizado Pe. Pio de Pietrelcina e Sta Tereza D´avila.
Em seu mini-castelo, no Bairro Boa Vista em Chapecó, Frei Luiz guarda várias imagens de locais onde passou na África, China, Europa…  durante seu trabalho missionário. Algumas obras pessoais, pinturas e artesanato. Imagens sacras entalhadas em madeira.
Hoje preside a Associação dos Diabéticos e Hipertensos de Chapecó.

No próprio Velho Testamento, no Exodus, falam que os anjos dos céus tomaram as filhas dos homens como esposas, por sua grande beleza. Foi aí que os nossos irmãos extraterrestres vieram para cá e se uniram com as fêmeas dessa raça que estava em evolução surgindo do homo sapiens – o homem híbrido, do qual nós somos descendentes.

A entrevista:

O senhor é um apaixonado pela história do Planeta. Como foi a colonização da Terra e a evolução do ser humano?
Frei - Eu fui informado que a colonização do Planeta não é bem como passaram e a evolução do homem, que foi sofrendo mimetismo, mutações de acordo com os continentes, das espécies, foi formando as raças.
Existem informações de que quando houve a colonização do Planeta, por aqueles revolucionários que se puseram contra a Confederação Planetária, foram trazidos povos de vários planetas para a Terra, os orientais foram um, por isso eles são tão evoluídos. Chineses inventaram a pólvora, na astronomia eram avançados, porque eles vieram com uma série de informações que foram perdendo através dos tempos.
Os africanos sim seriam a raça que sofreu a origem da experiência feita por nossos irmãos extraterrestres… Observei na abertura da Copa do Mundo de Futebol a expressão dos negros africanos, suas feições…
Temos uma imagem errada da África, não são todos negros, eu conheci negros da cor de argila vermelha, cinza, de todas as colorações escuras.
Informações me foram repassadas por um contato extraterrestre, de que, através dos tempos, eles não se comunicariam mais, apenas se manifestariam em sonhos e eu já tive muitas informações em sonhos que depois foram confirmadas com as experiências dos cientistas.

Frei: Como o senhor avalia os ensinamentos repassados nos dias de hoje pelos homens da igreja?
Frei - Outro dia fiquei revoltado, eu fui numa comunidade chamada Colônia Bacia ver a igreja que tem estilo antigo, porque as demais que foram construídas neste estilo foram demolidas com a idéia de alguns padres modernos que não entendem nada, nem de arquitetura, nem conhecem esoterismo, nada.
Fui ao salão de festas dos idosos, ao lado do bar, a mesa estranha, diferente das outras, era a mesa antiga do altar. Ali estava a pedra Hara daquela igreja, toda manchada de cerveja e outras coisas.
Chamo isso de iconoclastas dos novos tempos. Não deixam mais os colonos colocarem flores e folhagens no altar. Uma tradição antiga de embelezamento com a natureza.

Afirmo com toda certeza: “Onde existe o homem, existe imperfeição”.

O senhor está em Chapecó há quanto tempo?
Frei - Estou no oeste catarinense há mais de 20 anos, os destinos divinos nos trouxeram para cá, para aqui cumprir uma missão de caridade com os menos favorecidos.

Qual sua formação? Onde o senhor estudou, buscou conhecimento?
Frei - Eu tive uma formação religiosa Marista e depois disso eu me atraí pela Ordem dos Freis Gregorianos, criado por São Gregório, que foi um grande Papa da Idade Média, e também tivemos a oportunidade de estar no Sacro Colégio Gregoriano de Roma, fazendo doutorado em teologia, com duas pessoas conhecidas daqui, Santo Rosseto e Frei Beto, e de lá tivemos a oportunidade de ir para a Bélgica, em Louvaine, no Instituto Católico da Bélgica, onde nos doutoramos em Filosofia. Fora isto, na formação conventual, em Alto Petrópolis, Rio de Janeiro, tivemos oportunidade de ter contato com a língua aramaica e sua escrita, com o grego, o latim, fazendo captar melhor a formação religiosa.

Falando em religião, nos seus fundamentos, e os Evangelhos?
Frei - Os Evangelhos nós conhecemos apenas quatro, na verdade são 78, os demais são chamados apócrifos, porque no Grande Concílio de Nisséia foram selecionados apenas aqueles Evangelhos que interessavam aos homens da igreja da época. De lá para cá, a Bíblia sofreu várias traduções e cada um traduziu de acordo com seu nível cultural e de acordo com seus interesses.
Até hoje os Evangelhos, ou o próprio Velho Testamento, são fiéis verdadeiros da história dos homens de Deus em nosso Planeta, começando do Velho Testamento, com Abraão, Moisés e outros grandes profetas.
Afirmo com toda certeza: “Onde existe o homem, existe imperfeição”.
Isso tudo me deixou a pensar, pesquisar, analisar, trabalhei em missão em Goa, Macau, e nessa época tive a oportunidade de, com a amizade que fiz com os monges tibetanos, ir até o Tibet – no Himalaia, conviver com eles e descobrir grandes pérolas da evolução espiritual.

Sua missão era levar o Evangelho cristão a esses povos. O que mudou em sua vida após seu contato com líderes religiosos, principalmente do Tibet?
Frei - A missão era pregar o Evangelho, o cristianismo, a boa nova. Só que após esses contatos, eu também aprendi muita coisa.
Na Índia, eu tive contato com Bhagavad Gita, livro Hindu que fala da epopéia de Krishna. Também o Mahabharata, que foi escrito há mais de 10 mil anos em forma de poesias, contando a história do povo de Deus e a interferência dos grandes Avatares, espíritos iluminados como Jesus, que Deus enviou a Terra.
Eu percebi que de épocas em épocas, vem um espírito de luz – um avatar – que vem fazer uma pregação para o povo de uma região de uma época, adaptando-se aos costumes locais.
Assim nós tivemos Zoroastro da Pérsia; Sidarta Gautama, o Buda Iluminado, na Índia; Lao Tsé, no Japão; Confúcio, na China, o próprio Maomé do Islamismo, que nos passa uma má idéia, má imagem de um povo subversivo, mau, que na verdade eles não seguem a mensagem do Alcorão, que é muito parecido com a Bíblia. O Alcorão começa desde a época de Moisés, com todos os profetas, considera Jesus um grande profeta, Maria também e acredita que Maomé veio modernizar a mensagem de Jesus.
Dentro do Islamismo tem um grupo chamado sufista, que pregam um Evangelho islâmico de amor, que não tem nada a ver com essas condutas que hoje acompanhamos nos noticiários, as torres gêmeas e outros atentados, são grupos de fanáticos, assim como no ocidente temos os Cristãos que seguidamente estão declarando guerra um país cristão contra outro país cristão. Assim como na Idade Média, na Itália, o que se chama quirelas bizantinas, um determinado bispo de uma cidade italiana percebia que o outro bispo tinha muito ouro, muitos bens, criava uma polêmica – não – num buraco de agulha cabem uma legião de anjos e o outro bispo – não – cabem três. Em função disso, guerreavam, mas era de olho nas posses e bens da outra diocese.

O Senhor também trabalhou no Vaticano?
Frei - Fui guia no museu do Vaticano e lá pude ver muitos quadros da Idade Média, de grandes pintores e junto ao presépio de imagens sacras, no céu dessas imagens podem-se observar discos voadores.
No Vaticano existe hoje um departamento só de estudos, isso porque o Vaticano tem a maior rede de informação do Mundo.

Existe alguma orientação por parte das autoridades do Vaticano sobre o assunto discos voadores?
Frei - Não. Eles procuram não se manifestar. Após ver as imagens comecei a pensar até que cheguei a conclusão de que todos aqueles anjos que se fala no Velho Testamento principalmente, nada mais foram que visitantes extraterrestres, que habitaram o Planeta há milhões de anos, e hoje nós chamamos de uma raça adâmica.

Frei Luiz, qual é, na sua opinião, a real história sobre Adão e Eva?
Frei - Adão é um simbolismo, não houve só Adão e Eva, houve outros. A questão do pecado, da árvore, da fruta proibida, é tudo um simbolismo.
Adão e Eva representam justamente os dois sexos, que unidos pelo amor têm a oportunidade de procriar, não só eles, todos os seres vivos do planeta. Só que na Terra foram degredados nossos irmãos, que vivem em outra galáxia, na Constelação de Órion, onde houve uma guerra das Confederações Planetárias que faziam parte desta grande civilização e os perdedores foram degredados para vários planetas que tinham condição de vida, mas eles foram expulsos sem poder levar nenhuma tecnologia. Tiveram que recomeçar do início e, aqui, na Terra, era um grande laboratório dessas civilizações onde eles estavam desenvolvendo e acompanhando a evolução da vida nesse Planeta.
Então, aqui foi criado o início de um primata específico para ser o homo sapiens, passando por várias épocas evoluindo.
No próprio Velho Testamento, no Exodus, fala que os anjos dos céus tomaram as filhas dos homens como esposas, por sua grande beleza. Foi aí que os nossos irmãos extraterrestres vieram para cá e se uniram com as fêmeas dessa raça que estava em evolução surgindo do homo sapiens – o homem híbrido, do qual nós somos descendentes. Só que nós temos no nosso ser a grande força energética da reprodução e da fome. Sendo assim, agimos mais pelo instinto do que pela razão, poucos são aqueles que conseguem agir pelo racional. Esses se tornaram grandes cientistas, grandes pensadores, foram os que conseguiram evoluir dessa herança genética que nós temos dos nossos parentes de outros sistemas que podemos observar. Todos têm a característica humanóide.

Sodoma e Gomorra é outro exemplo, com Lot. Apareceram anjos dos céus advertindo Lot, que era seguidor dos princípios divinos, que cumpria as leis passadas por Moisés. Alertaram para se retirar da cidade do Sodoma, pois iam ser castigados por Deus. Houve ali então uma verdadeira guerra nuclear, de uma civilização muito evoluída. Foi mais tarde lembrada pelos descendentes do fato e escrito de forma simbólica.

E quanto aos sete dias da criação do mundo, qual o simbolismo disso na sua concepção?
Frei - Sete dias na verdade é um número simbólico. Isso significa milhares, ou quem sabe milhões de anos no processo evolutivo dessa experiência que foi feita aqui no Planeta.

Onde o senhor buscou essas informações?
Frei - No Tibet, com os monges tibetanos, que através de uma linguagem simbólica também nos repassam muitas informações. Na própria Índia você vê coisas fantásticas. Aquelas pirâmides no meio de “Jungle”, a selva Hindu. Pirâmides enormes que eram de pedras e foram vitrificadas por arma nuclear. Também pela escrita do Mahabharata, que fala de uma época em que havia naves que se guerreavam com flechas de fogo, que na verdade eram raios laser, transformando em cinza, assim como ocorreu em Nagasaki e Hiroshima, após a bomba. O povo japonês que lá habitava virou cinza.

Falando em cinza, segundo relato bíblico, as cidades de Sodoma e Gomorra foram destruídas e viraram cinza?
Frei - Sodoma e Gomorra é outro exemplo, com Lot. Apareceram anjos dos céus advertindo Lot, que era seguidor dos princípios divinos, que cumpria as leis passadas por Moisés. Alertaram para se retirar da cidade do Sodoma, pois iam ser castigados por Deus. Houve ali então uma verdadeira guerra nuclear, de uma civilização muito evoluída. Foi mais tarde lembrada pelos descendentes do fato e escrito de forma simbólica. Assim como Noé. Se analisarmos, é um absurdo que uma família construa uma arca de madeira, aquela região é pobre em madeira, e construir uma arca para abrigar um par de animais de cada espécie do planeta durante quarenta dias e quarenta noites. Pergunto: Como é que alimentavam? Nós sabemos que cada animal tem uma espécie de ração, de alimento próprio. Houve aí na verdade mais uma das grandes catástrofes que o planeta já teve várias e numa delas desapareceu Atlântida, que era uma civilização extremamente mais desenvolvida que a nossa.
Outro exemplo: como se explica que no velho Egito, num túmulo de cinco mil anos atrás, túmulo de uma criança, ser encontrado um helicóptero de ouro? Como se explica aquele computador encontrado em Antuérpia, de mais de cinco mil anos?
Percebem-se vestígios de grandes civilizações que existiram e desapareceram, tendo assim um recomeço, como na minha visão atual está para acontecer.

O que esperar da vida no Planeta nos dias atuais?
Frei - Com o degelo dos pólos, o mar deverá subir cem metros em toda costa dos continentes, consumindo os grandes centros do Brasil. O norte todo vai ficar embaixo d’água, como as nossas grandes capitais, Florianópolis, Camboriú, toda a parte litorânea de Santa Catarina, tudo ficará embaixo do mar. E o que prova que isso vai acontecer e já aconteceu é justamente agora a questão do pré-sal.
A explicação para a existência de petróleo a 300 km de mar adentro é que aquela região já teve vegetação e vida animal. O petróleo é de origem animal e vegetal, só que as pessoas não param para pensar.
Então, isso já aconteceu várias vezes, nosso planeta já passou por várias formações geológicas e ninguém sabe ao certo quando isso vai acontecer novamente. Pode demorar muitos anos ou acontecer logo….

E o amor?
Frei - Nós somos muito animais. Hoje em dia o que está predominando na razão do homem é a noção de sexo por sexo. Não existe mais o amor que valida o sexo entre duas pessoas que se amam, porque você é impar no mundo, como sua esposa também é. A coisa mais bela é quando surge o amor entre essas duas pessoas, não só atração sexual, mas amor, e faz com que decidam unir e se prolongar através de um filho, num grande abraço de amor para dar continuidade à vida, mas uma vida construtiva de bem com o meio ambiente, compartilhando-o como uma dádiva que os deuses nos deram. E Deus, esse ser universal, para mim, é a soma de toda energia cósmica. Deus não tem forma, é todo energia cósmica.

Durante seu trabalho de catequização e seu contato com monges tibetanos, houve um conflito de idéias, uma reformulação em sua vida? Como lidou a partir dessa situação?
Frei - Falei com meus colegas mais próximos, mas senti que devia evitar, assim como quando estive no escotismo em Porto Alegre e tive o primeiro contato imediato com um ser e que na época eu não estava preparado para esse contato. Eu fiquei mais aderi a uma postura de pasmo, de medo e não soube aproveitar o momento para questionar… Hoje eu faria uma série de perguntas, questionamentos que creio, até fundiria a mente desse ser.
Nós todos estamos sendo observados. Não digo que em alguns colocaram até chips, mas também não digo que toda humanidade está com chips.

Frei Luiz, falando em extraterrestres, o senhor citou as passagens bíblicas e a presença dos irmãos das estrelas em várias situações. O que mais se deve analisar?
Frei - Até a própria sombra que acompanhava o povo que Moisés conduzia pelo deserto. Diz que de dia fazia sombra e quando estavam famintos chovia o maná e também gotas de água para manter o povo vivo, como também à noite, essa nuvem iluminava o caminho. Nada mais é, é óbvio, e só abrirmos a mente, a cabeça; a humanidade precisa tirar essa viseira que nos colocaram durante séculos. Essas dependências, por exemplo: eu vejo o fenômeno da aparição de Fátima como extraterrestre. Aquele sol que dançava em cima do arbusto que girava. Como o sol faria esse movimento? Ali, se só foi visto em Fátima, Portugal, em parte nenhuma do Planeta, naquele momento que aconteceu; se viu o sol em movimento. Nada mais é que um fenômeno extraterrestre.

O senhor se sente só, ao falar, sobre o assunto discos voadores, ET’s, enfim?
Frei - Sim, eu me sinto desde que tive a aparição lá no Morro do Chapéu, em Gravataí. Eu me sinto hoje uma pessoa deslocada. Eu vivo, procuro me adaptar às pessoas, com seus valores. Meus valores são completamente outros. Nunca me interessei em ter dinheiro, ao mesmo tempo a Divina Providência não me deixou sem ter pão ou o necessário para continuar a minha caminhada.

O que o senhor espera do ser humano e do planeta terra?
Frei - Eu acredito, assim como já aconteceu há milhões de anos atrás, que o planeta segue ciclos. Cada ciclo promove uma transformação geológica no planeta, como já citei, Lao Tsé, Godija, Pajeia, quando a África era unida com a América e depois separaram e o que prova essa dedução científica é que há pouco tempo, no Acre, numa escavação, paleontólogos encontraram fósseis de elefante, camelo, leões e outros animais originários da África que aqui estavam. E outra coisa que me faz pensar é que antes dos polinésios atravessarem o Estreito de Behringer e virem povoar as Américas, elas já estavam povoadas por negros.
Eles eram daqui, ou vieram pelas correntes marítimas para cá. No Brasil, na Lagoa Santa/Minas Gerais, foi encontrada uma ossada petrificada de uma.  Na península de Yucatán, onde surgiram os astecas, toltecas, maias, existe enormes cabeças esculpidas em pedras com expressão afro.

Que outros vestígios de colonizadores o senhor tem conhecimento?
Frei - A mandioca é uma planta natural da América, mas, foi encontrada em um túmulo egípcio, mandioca milenar. Como é que a mandioca daqui foi para lá? Isso mostra que os povos todos tinham contato.
Ah! Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil. Uma grande mentira. A América foi descoberta por Colombo. Outro grande engodo. Américo Vespúcio fez a circunavegação, outro grande engodo.
Esteve aqui, pelo ano de 1200, uma grande esquadra de um almirante chinês. Os fenícios estavam por aqui. Na América do Norte, judeus estiveram entre os índios, tanto assim que havia uma tribo de índios louros, desses imigrantes colonizadores que estiveram lá. Hoje, lamentavelmente, essa tribo está extinta.
Outras coisas mais que nos fazem pensar: as escritas maias. Milhares de integrantes do povo maia foram queimados a mando de freis carmelitas e padres católicos, que afirmavam que eles utilizavam uma escrita do diabo e com isso, destruíram todo um conhecimento. Mas alguns outros padres visionários conservaram alguns escritos, através dos quais descobriram que na hierarquia nobre dos maias existiam princesas negras.
Os povos polinésios que vieram pelo Estreito de Behringer devem ter destruído esses povos negros, que foram habitantes antes dos polinésios e antes dos brancos.

Falando em colonização, e a região Oeste de Santa Catarina. O senhor tem uma batalha particular com relação ao município de Caxambú do Sul e vestígios de civilizações antigas na região?
Frei - Em Caxambú, lamentavelmente, é um problema cultural e os prefeitos da região não acordaram, porque eu penso o seguinte: quando o prefeito assume, claro que é mais interesse político, da sigla que representa sobre a região, poder econômico. Se analisarmos bem o poder político partidário, eles deveriam se assessorar de pessoas cultas, de conhecimento, para ter à disposição uma fonte de consulta.
No caso de Caxambú do Sul, se eu fosse prefeito desse município, iria me cercar de arqueólogos de grandes centros ou internacionais, realizar uma grande pesquisa e escavação que já foi começada por Brígido Ibanhez, arqueólogo amador, do norte do Brasil, que realizou escavações e chegou até o início dos primeiros degraus da pirâmide. Mas hoje, com a erosão, as escavações estão praticamente cobertas. Nas redondezas daquela região existem mais de duas mil colunas entalhadas à mão, deitadas, esperando para serem utilizadas ou para fazer taipas, porque o rio Uruguai naquela região tem uma taipa com essas colunas enormes que pode se passar com um “fusca” no período da seca, que vai para o outro lado, em Alpestre, no Rio Grande do Sul. Toda região ali tem disso. As famílias locais de Caxambú do Sul usam aquelas pedras para fazer alicerces de casas, degraus, e com isso, estão destruindo todo esse patrimônio.
Digo também que eu teria um investimento naquele local para trazer turistas de todo mundo. Criar a estrutura e divulgar. O povo local poderia viver só de turismo.
Já denunciei para a PUC (Pontifícia Universidade Católica), URGS no Rio Grande do Sul, setor de arqueologia, em Chapecó para a Unoesc. 
Concluindo: foram lá e projetaram uma represa, que provavelmente vai inundar parte do local que eu falo. Contrataram um arqueólogo de Tubarão para fazer um levantamento arqueológico.
Como você vai fazer um trabalho desses com uma equipe de alunos universitários só caminhando na beira do rio? O resultado seria um levantamento muito superficial.
Ah! Não tem nada.
Como não tem nada? Escavaram?
Eu, em uma tarde, menos de uma hora mexendo no subsolo desse local, encontrei pedaços de cerâmica. E eu não fiz uma escavação técnica.
Há o descaso, pois a coisa toda visa dinheiro, é tudo uma questão de postura muito imediatista. Eu faria fortuna com aquela questão arqueológica, o local tem muito por escavar.
Mais informações no livro – Morada do Arco Íris.

Existe mais algum mistério naquela região?
Frei - Olha, tem uma coisa que me intriga, mas segundo moradores locais atravessando o rio Uruguai, no Rio Grande do Sul, em Alpestre, existe uma pedra enorme branca escorada sob uma pedra sedimentar. Embaixo tem uma entrada com uma escada onde ninguém entra por medo.
Na propriedade dos Fistarol, em Caxambú, à noite, acontecem fenômenos estranhos. Bolas de fogo que saem de dentro da terra e seres que se movimentam explorando alguma coisa. Ninguém chega perto porque tem medo que seja o demônio.

Falando de fatos ocorridos na região, Chapecó registrou, em 1983, a abdução de Antônio Nelso Tasca. Qual sua posição com relação ao caso?
Frei - Sim. Um legítimo contato alienígena, mas aqui em Chapecó o chamaram de mentiroso. Nelso Tasca falou que a nave que o capturou foi para o fundo do mar, são seres intraterrenos, que habitam o interior da terra.
Eu lembro que quando estava na Europa surgiu um noticiário na França que noticiou um movimento de terras lá, provocando a abertura de uma caverna e dessa caverna apareceram duas crianças, um menino e uma menina que deviam ter doze e catorze anos, só que a pigmentação da pele deles era verde e tinham a orelha alongada, falando uma língua estranha, os olhos, negros grandes, tinham dificuldade de ficar expostos a luz do sol e o povo de lá queria matá-los, disseram que era a aparição do diabo.
Isso tudo foi incutido por nossos amigos da igreja antigamente.
Já um padre local, com uma visão mais ampla, protegeu essas duas crianças. Também achou estranho, não deixou que os moradores as sacrificassem e os criou. A menina viveu um ano e meio, o menino até os 14 anos e aprendeu a falar o Francês, o provençal, língua da região, e eles contaram que moravam numa cidade que ficava dentro da terra. Uma cidade que tinha uma luminosidade própria que não era o sol e que eles comiam fava e líquens. Tinham grandes fazendas.
Ficou um mistério que a ciência da época não tinha o desenvolvimento para esclarecer.

Quanto ao caso Tasca. Como foi seu relacionamento com o abduzido de Chapecó e esse assunto?
Frei - Nós conversamos muito, em função de que eu tive aquela experiência no Rio Grande do Sul.
Ele me passou muitas coisas. Estimava-me por eu acreditar nele. Também se sentia deslocado, tanto assim que foi trabalhar em outra cidade, em função do descrédito.
Só que aqui (Chapecó) é um lugar em que eu conheço inclusive um casal de médicos, que em sua chácara viram durante a noite naves, fenômenos na casa deles. Bolas de fogo saindo de dentro da casa e outras coisas mais. Um registro de pouco tempo atrás, no interior do município, por volta das 18h, colonos se assustaram com uma enorme bola de fogo. Pensaram que o sol estava caindo. Esconderam-se inclusive embaixo de suas casas e aquilo sumiu.
Outro fato, a RBS (afiliada da Rede Globo) deve ter as imagens, anos atrás estavam jogando futebol de salão e um funcionário filmando, de repente ele dirigiu a câmera em direção ao edifício Borsatto. O prédio estava coberto por uma enorme nuvem e de repente apareceu uma nave, saindo atrás e eles filmaram, bem no horário de chegada de um avião de São Paulo. Pelo tamanho do avião e da nave pode se calcular o tamanho desse objeto que de repente, como um raio, subiu aos céus e sumiu.

Nós estamos preocupados porque os fins de uma nova era deverão acontecer para dar mais uma oportunidade a vocês.
Nós vamos ter que dar um grande banho novamente no planeta. As águas se encarregarão de fazer uma nova seleção e dar uma nova oportunidade para a evolução da raça terrestre.
(Continua parte 2/2)

Um comentário:

  1. nossa amei seus comentários...já tive Contactos e acredito em você...

    ResponderExcluir