terça-feira, 11 de dezembro de 2012

URGENTE – QUEREM NOVAMENTE CENSURAR A INTERNET

No Brasil, estranhamente, a grande mídia se mantém silenciosa quanto aos protestos, o que consideramos no mínimo, uma confissão de cumplicidade. “Há uma preocupação cada vez maior em anular o pensamento livre na internet, manifestado por meio de sites, blogs e redes sociais. Muitos políticos criaram perfis pensando nas eleições de 2012, mas fracassam em seu uso por um motivo inacreditavelmente simples: eles tratam os usuários como uma massa amorfa e passiva, pronta a assimilar qualquer mensagem
Mas a realidade é bem diferente. Poucos aceitam essa atitude e param de seguir seus perfis, já que apenas enviam spams e não interagem de forma adequada. Voltando ao assunto da censura, no campo internacional as coisas também não vão muito bem.”  (1) 
Internet: reunião na ONU pode mudar radicalmente a rede 02.12.2012
Os olhos da internet no mundo se voltam para Dubai a partir desta segunda-feira, quando começa uma reunião de 12 dias em que a estrutura internacional da internet será debatida pelas 193 nações da União Internacional de Telecomunicações da ONU (ITU, na sigla em inglês).
O evento já se inicia com uma polêmica: uma campanha liderada pelo Google questiona a legitimidade do controle da rede pela ONU e a exclusão das empresas e usuários da votação que poderá definir o futuro dos negócios e dos usuários na rede.
Além do Google, deputados europeus também questionam a legitimidade da organização para legislar o tema, durante a Conferência Mundial de Telecomunicações Internacionais 2012.
Realizada em Dubai, nos Emirados Árabes, o encontro vai até o dia 14 de dezembro, com o objetivo de revisar o tratado firmado em 1988 para facilitar as negociações comerciais e técnicas internacionais entre as operadoras de telecomunicações.
Na pauta oficial, entram o direito humano de acesso às comunicações, segurança no uso de TICs, proteção de recursos críticos nacionais, marcos regulatórios internacionais, cobrança e contabilidade, interconexão e interoperabilidade, qualidade do serviço e convergência.
Por trás da pauta, críticos apontam tópicos mais polêmicos como uma possível carta branca a países como o Irã e a China para a retirada do ar de blogs e outros conteúdos, além de restrições que esses governos impõem à internet. (2) Assistam vídeo a seguir sobre a reunião da União Internacional de Telecomunicações que será realizada em Dubai nos próximos dias, e entendam os riscos que corremos!
Como a UIT pode acabar com a internet livre e aberta
Disponibilizado no YouTube  em 10.12.2012. Exerça seu direito em http://www.whatistheITU.org
Ative a legenda em pt-br. Será o fim da Internet tal qual a conhecemos? Os representantes do governo brasileiro enviados à Conferência [dizem que] não têm uma posição para defender sobre a neutralidade da rede e empurram a responsabilidade para o Legislativo:
"Por que a Anatel, que representa o Brasil na UIT, precisa defender uma posição nessa conferência, se o Legislativo brasileiro, o melhor fórum para decidir sobre um assunto, ainda não deu a palavra final?", indaga o dirigente. Segundo ele, nem mesmo o conselho da Anatel tem posição uniforme sobre a questão. Texto: Johnny Cantarelli
Eles querem ██████ a Internet
Nesse momento, em um encontro da ONU na cidade de Dubai, regimes autoritários estão fazendo pressão pelo controle governmental completo da Internet em um tratado global obrigatório – se eles tiverem sucesso, a Internet pode se tornar menos aberta, mais cara e muito mais lenta. Temos apenas 2 dias para impedí-los.
A internet tem sido um exemplo incrível do poder popular – ela permite conectar-nos, ter uma voz e pressionar líderes políticos como nunca antes. Isso acontece em grande parte porque a Internet foi governada até então por usuários e organizações sem fins lucrativos, não por governos. Mas agora, países como Rússia, China e Emirados Árabes Unidos estão tentando reescrever um grande tratado de telecomunicações chamado ITR para colocar a Internet sob seu controle – a rede seria então modelada pelos interesses do governo, não por nós, os usuários. Tim Berners Lee, um dos "pais da Internet", alertou para o fato que essas medidas podem aumentar a censura online e invadir a nossa privacidade. Mas se nós protestarmos com uma gigante petição criada por pessoas, podemos fortalecer os poucos países que lutam contra essa tomada de poder.
Normalmente, esse encontro não receberia muita atenção, mas Rússia, China, Arábia Saudita e outros países estão tentando usá-lo para aumentar o controle dos governos sobre a Internet por meio de propostas que permitiriam cortar o acesso com facilidade, ameaçar a privacidade, legitimar o monitoramento e o bloqueio de tráfego de dados, além de apresentar novas taxas para acessar conteúdo online.
Atualmente a nossa Internet não possui um corpo regulatório central, mas várias organizações sem fins lucrativos trabalham juntas para gerenciar os diferentes interesses tecnológicos, comerciais e políticos que permitem a Internet existir. O modelo atual certamente não é isento de falhas. O domínio dos EUA e a influência das empresas privadas destacam a necessidade de reforma, mas mudanças não devem ser ditadas por um tratado opaco feito apenas entre governos. Elas devem emergir de um processo participativo, aberto e transparente, colocando os interesses dos usuários, nós, no centro das discussões.
Impedimos ataques como este no passado e podemos impedí-los mais uma vez antes que o texto do tratado seja fechado essa semana. Uma onda de oposição a um novo ITR já está crescendo – assine a petição para dizer aos governos que tirem suas mãos da nossa Internet! Em seguida, encaminhe esse email para todos que você conhece. Quando chegarmos a 1 milhão de assinaturas, entregaremos a petição diretamente às delegações que participam do encontro.
Para ITU e todas nações na Conferência Mundial Internacional de Telecomunicações (WCIT) em Dubai:
Como cidadãos do mundo e usuários da Internet, pedimos que rejeitem quaisquer alterações aos regulamentos da Internet atuais que enfraqueçam ou alterem a natureza livre e aberta da Internet, ou dêem a qualquer governo ou organismo a capacidade de infringir os direitos dos usuários da Internet à liberdade de expressão, o livre acesso à informação ou privacidade. Exigimos também que quaisquer alterações propostas para os atuais regulamentos internacionais da Internet sejam debatidos publicamente, e sujeitos a participação e aprovação dos cidadãos.
http://www.avaaz.org/po/hands_off_our_internet_i/?bKmrybb&v=20031
Fontes:



Nenhum comentário:

Postar um comentário